logo mnemocine

hitch.png

           facebookm   b contato  

Cinema Brasileiro

Artigos, Críticas, Monografias e Ensaios.

Documents

Order by : Name | Date | Hits [ Ascendant ]

O IBGE e a realidade do mercado exibidor O IBGE e a realidade do mercado exibidor

hot!
Date added: 08/09/2009
Date modified: 08/09/2009
Filesize: 166.03 kB
Downloads: 4821

Autor: José Inacio de Melo Souza
Publicado em: 20/12/2001
Em 2001 o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE lançou o Perfil dos Municípios Brasileiros. A imprensa sensacionalista deu o destaque necessário:"92% das cidades não têm cinema"...

O Cinema mudo em 4 livros O Cinema mudo em 4 livros

hot!
Date added: 08/09/2009
Date modified: 08/09/2009
Filesize: 256.29 kB
Downloads: 7000

Autor: José Inacio de Melo Souza
Publicado em: 28/7/2004
Os cursos universitários de cinema têm quase meio século. Não seria um exagero afirmarmos que a produção universitária de teses e dissertações começou pelo princípio, ou seja, o cinema mudo...

O ano de 1902 O ano de 1902

hot!
Date added: 08/09/2009
Date modified: 01/20/2011
Filesize: 646.87 kB
Downloads: 10242

Autor: José Inácio de Melo Souza
Publicado em: 10/11/2005
Considerações sobre as primeiras exibições de Cinema em S.Paulo:

"Já fizemos notar em outro artigo alguns aspectos sobre a construção do mercado exibidor e a recepção dos filmes na cidade de São Paulo..."

Menores e senhoritas Menores e senhoritas

hot!
Date added: 09/15/2017
Date modified: 09/15/2017
Filesize: 604.82 kB
Downloads: 41808

Kinetoscope Kinetoscope

hot!
Date added: 07/09/2013
Date modified: 07/09/2013
Filesize: 144.16 kB
Downloads: 8040

DO KINETOSCOPE AO KINETOSCÓPIO: VARIAÇÕES SOBRE O MESMO TEMA

JOSÉ INACIO DE MELO SOUZA1

RESUMO: Revisão bibliográfica e analítica sobre a apresentação do kinetoscópio na cidade de São Paulo em 1895.

PALAVRAS-CHAVE: kinetoscópio; kinetoscope; Frederico Figner; Professor Kij; Thomas Alva Edison

ABSTRACT: Review of the literature and analytical survey about the Edison’s Kinetoscope in the city of São Paulo in 1895.

KEYWORDS: Kinetoscope, Frederico Figner; Professor Kij; Thomas Alva Edison

No final da década de 1970, Maximo Barro, como declarou em 1987, conseguiu publicar sua pesquisa sobre a primeira sessão de projeções na tela com ingresso pago na cidade de São Paulo, realizada pelo fotógrafo de profissão Georges Renouleau.2 Logo depois, em 1981, foi a vez de Vicente de Paula Araújo lançar ao público o seu trabalho sobre o mesmo tema, Salões, circos e cinemas de São Paulo, editada pela Perspectiva, casa que lançara seu primeiro livro, tratando do cinema dos primórdios no Rio de Janeiro. O projeto historiográfico de ambos era eminentemente cronológico porém, para infelicidade de Araújo, o seu começava, em 1897, com o Vitascope (Vitascópio), inventado nos laboratórios de Thomas Alva Edison, e apresentado aos paulistanos pelo professor Kij. O engano de abordagem cometido por Araújo derivava de dois fatores. De um lado, os historiadores, naquele momento, tinham uma carência de documentação confiável, fosse aquela ainda dispersa pelos arquivos de particulares ou, se organizada, de difícil acesso, como acontecia com os ricos acervos cariocas de Adhemar Gonzaga e Pedro Lima, ou do distante Peri Ribas, em Pelotas, fosse pela falta de estrutura das cinematecas (Brasileira e do MAM), em fase de constituição dos seus arquivos filmográficos e bibliográficos. Por outro lado, havia uma urgência no salvamento da memória dos pioneiros, explorando-se uma ideia cara para a época, a dos que primeiro fizeram alguma coisa em termos de cinema, principalmente na produção de filmes, deixando-se de lado outros operadores do mercado cinematográfico, apoiando-se as pesquisas na história oral, como tinha sugerido Paulo Emilio nos seus artigos para o Suplemento Literário de O Estado de S. Paulo.3 Diante da senectude de vários deles, o objetivo primordial era o salvamento do passado vivido pelos desbravadores que, por esta época de lançamento dos fundamentos de uma história do cinema, dentro de uma perspectiva historiográfica mais inovadora, restringia-se às décadas de 1910 e 1920, estando já soterrada quase vinte anos de prática cinematográfica anterior.